Histórias com valor - O que é ser voluntário?


Testemunho da minha amiga Salomé, voluntária na ADAAVV.

"O que é ser voluntário num canil? Ahh é ter o coração nas mãos todos os dias, é pensar em soluções, é arriscar para os salvar, é viver todos os segundos com um único objetivo… o de lhes poder mudar o mundo.

Há um ano aventurei-me no voluntariado, nunca o tinha feito, nem conhecia ninguém que o fizesse. Segui o meu instinto e depois de lágrimas, sorrisos, suores frios e muito mais, posso afirmar com toda a certeza, que foi a melhor decisão que fiz em toda a minha vida.

Em Setembro de 2015, entrei pela primeira vez no canil de Vila Verde, as imagens desse dia apagaram-se por completo da minha memória, só me lembro que era frio, húmido e triste… Tudo tão triste que fui incapaz de olhar para eles diretamente, baixei a cabeça e limitei-me a ajudar na limpeza. Vim para casa e chorei, pois, por mais preparada que fosse, não era assim que imaginava o canil. Depois desse dia fui incapaz de os deixar.

Agora tenho um carinho especial por cada um deles, já foram mais de uma centena de cães, agora menos… Uns vão, outros vêm e outros vão ficando. Sei o nome de todos, e todos eles têm um lugar especial no meu coração.

Há histórias tristes, essas são as que ficam para sempre cravadas na nossa memória, há um sentimento de impotência quando sabemos que não podemos fazer mais nada para os salvar, ou quando fazemos ‘das tripas coração’ e tudo se atravessa no nosso caminho e nos impede de os conseguir ajudar mais… fica um vazio no coração quando assim é. Mas também já vivi muitas histórias felizes, histórias de cães que viveram anos de sofrimento e que agora têm uma casa e família. Histórias tão boas que fico com o coração cheio quando penso que há um mês estavam numa box fria e molhada e agora estão num sofá à lareira. É destas histórias felizes que vivo e me fazem continuar, saber que ajudei a que isso se proporcionasse, faz de mim uma voluntária com o sentimento de dever cumprido e feliz.

Já vi mortes, sangue, feridas… Mas também já recebi abraços, lambidelas, saltos de felicidade. Fiz amizades para a vida, partilho o amor pelos animais e as minhas aventuras de voluntária com pessoas fantásticas, e espero que fiquem para sempre na minha vida. Sou voluntária de coração cheio, porque sei que dou tudo aquilo que sou capaz e às vezes mais.

Um ano depois ainda há quem diga que exagero, 'amigos' que se afastam porque dizem que não faço mais nada do que pensar em cães e fazer 'coisas' para o canil… Às pessoas que me dizem isso, eu deixo-lhes este desabafo: podem não gostar da causa animal, mas pelo menos respeitem a causa e as decisões de quem se dedica a ela, até porque enquanto eu sentir que os animais precisam de mim, EU NÃO VOU DESISTIR de os ajudar."

Obrigado pelo desabafo, cãopanheira Salomé. Em nome de todos os cães, sinto-me orgulhoso por te conhecer, e o meu maior desejo é que haja muitos humanos como tu.

Voluntários precisam-se, para esta causa e para muitas outras, por isso, se tens algum tempo livre e queres ser um super-herói e mudar o mundo, pondera tornar-te voluntário/a.

Se também és voluntário e tens uma opinião diferente que gostavas de partilhar, escreve-nos! 

Lambeijos,
Golden, o cão.


Deixe um comentário


Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos